Número de mortos em bombardeio de Israel contra a Faixa de Gaza sobe a 195

27/12/2008
https://i1.wp.com/images.ig.com.br/publicador/ultimosegundo/74/74/74/1310189.palestino_ferido_em_area_atacada_por_israel_gaza_mundo_280_419.jpg
queremospazpj2012sequaz
Atualizando:

Ataques em Gaza
Mortos passam de 400
+ de 2000 Pessoas Feridas
40% feridos são civis

Esperamos que isso acabe logo
FT: AE Agencia Estado
01/01/2009
———————————————————————————————
27/12/08
Em resposta, Hamas lançou foguetes contra Israel, matando 1 e ferindo 4.
Ministro israelense da Defesa disse que ‘chegou a hora de lutar’.

Do G1, com agências internacionais.

Subiu de 155 para pelo menos 195 o número de mortos no bombardeio de Israel sobre a Faixa de Gaza na manhã deste sábado (27), segundo os serviços de emergência palestinos.

O número de feridos chega a 300, 120 deles em estado grave, segundo o médico  Muawiya Hassanein, responsável pela emergência no território.

Em represália ao ataque israelense, o movimento islâmico Hamas lançou foguetes contra Israel. Uma civil israelense morreu e quatro pessoas ficaram feridas por um foguete que atingiu em cheio uma casa na cidade de Netivot.

Bombardeio A Força Aérea de Israel lançou um ataque aéreo com aviões e helicópteros contra alvos do movimento islâmico Hamas em toda a Faixa de Gaza às 11h30 locais (7h30 de Brasília) deste sábado.

Pelo menos 195 pessoas morreram vítimas do ataque na Cidade de Gaza e em outras cidades e campos de refugiados, principalmente no norte do território. Os hospitais confirmam mortes na Cidade de Gaza e também em Khan Younis e Rafah, no sul do território.

Reuters)

Palestinos carregam ferido após bombardeio de Israel à Faixa de Gaza neste sábado (27). (Foto: Reuters)

Veja mais fotos do bombardeio de Israel à Faixa de Gaza

O ministério israelense da Defesa confirmou o ataque, informou que não houve baixas israelenses e disse que mais ações militares contra alvos do Hamas serão tomadas se for julgado necessário.

O ministro da Defesa, Ehud Barak, disse que a operação vai ser ampliada e expandida. “Não vai ser fácil e não vai ser curto”, disse Barak. “Há tempo para a calma e tempo para a luta, e agora chegou a hora de lutar.”

O porta-voz do Exército, Avi Benyahu, afirmou que a operação “recém-começou” e que não tem prazo para terminar.

O Hamas, a Jihad Islâmica e outros grupos islâmicos prometeram “vingança”. O Hamas, que controla a Faixa de Gaza, pediu a seus integrantes que “vinguem pela força” a agressão de Israel, segundo comunicado difundido por rádio.

“Todos os combatentes estão autorizados a responder à matança israelense”, disse um comunicado divulgado pela Jihad Islâmica.

O porto de Gaza e instalações de segurança do Hamas foram danificados, segundo o Hamas e testemunhas. O chefe de polícia da região, Tawfiq Jabber, teria sido morto durante o ataque.

Um dos bombardeios teria atingido um quartel onde ocorria uma cerimônia de graduação para novos membros, provocando várias mortes.

Imagens de TV mostraram corpos espalhados nas ruas e feridos sendo carregados, além de danos pesados em edifícios. Uma nuvem de fumaça negra ergeu-se da cidade.

O governo do Egito abriu a passagem de Rafah, na fronteira com Gaza, para permitir a entrada de ajuda humanitária e a saída de feridos pelo bombardeio, disseram à agência EFE fontes egípcias de segurança.

Tensão crescente

O ataque deste sábado registra o maior número de vítimas palestinas desde a Primeira Intifada, entre 1987 e 1991. Também é o maior ataque desde os confrontos de março de 2008, que mataram mais de cem pessoas ao longo de cinco dias.

O governo israelense ameaçava havia vários dias iniciar uma intervenção militar na Faixa de Gaza, depois que os grupos radicais intensificaram os disparos de foguetes contra o sul do território israelense -um deles, acidentalmente, matou duas meninas palestinas, de 13 e 5 anos.

Israel ampliou o bloqueio à Faixa de Gaza depois que o Hamas expulsou as forças da facção rival Fatah, tomando o território em junho de 2007.

Em junho de 2008, o Egito mediou uma trégua entre as duas partes. Mas, após vários incidentes de lado a lado, ela expirou no último dia 19 e acabou não sendo renovada, aumentando a tensão e a violência na região.

Repercussão

O presidente palestino, Mahmud Abbas, condenou os ataques, segundo seu porta-voz. Ele disse que iniciou uma série de “contatos urgentes” com líderes internacionais para que tentem interromper a agressão, disse Nabil Abu Rudeina à France Presse.

A Casa Branca que Israel evite baixas civis em seus ataques aéreos a Gaza e que o Hamas pare de lançar ataques contra Israel para que a violência possa cessar.

O comunicado lido pelo porta-voz Gordon Johndroe também pede ao Hamas que renuncie às atividades terroristas se quiser exercer um papel no futuro do povo palestino.

O presidente da França e da União Européia, Nicolas Sarkozy, pediu a “suspensão imediata de disparos de foguetes contra Israel, assim como dos bombardeios israelenses a Gaza”, segundo um comunicado da presidência.

O responsável pela Política Externa da União Européia, Javier Solana, pediu um “cessar fogo imediato” em Gaza, segundo um porta-voz.

Os ministros de Relações Exteriores dos países árabes anunciaram que vão realizar neste domingo, no Cairo, uma reunião de emergência para tomar posição sobre os confrontos em Gaza, informou a Liga Árabe.

A Líbia, único país árabe atualmente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, informou que vai pedir uma reunião de emergência do conselho.

A Rússia pediu a Israel que detenha a “operação de grande envergadura” em Gaza e ao Hamas que pare de lançar foguetes contra o território israelense, segundo comunicado do Ministério de Relações Exteriores.

Anúncios